sexta-feira, 20 de março de 2009

GUERRA CIVIL NO BRASIL

Ha guerra civil no Brasil, sim. O que acontece no Iraque com o gasto de bilhões de dólares pelo Governo norte-americano, com a participação, entre outras, das poderosas Forças Armadas do Reino Unido, é uma “besteirinha” comparativamente ao que esta acontecendo nos grandes centros urbanos do Brasil.

Uma comparação entre os gastos financeiros e o resultado, em mortes, na Guerra do Iraque com as quantidade de mortes praticadas pela marginalidade das cidades brasileiras e os poucos recursos materiais que estes dispõem, faria corar de vergonha o Presidente Bush em relação ao seu desempenho no Iraque. Seria melhor chamar os bandidos do Brasil. Sairia mais barato para os cofres públicos americanos.

Não falo da criminalidade instalada no Poder em todo o País. Bem, aí não há comparação possível. No Brasil, Voto e Diploma Eleitoral tem sido em muitos casos autorização para assaltar os cofres públicos impunemente. O que vem dizimando a infra-estrutura de uma economia que poderia estar entre as maiores do planeta. Pior, propiciando o fermento para o aumento da criminalidade.

O Brasil vive uma verdadeira guerra civil e os bandidos de todos os naipes estão levando a melhor. Os cidadãos honestos, que trabalham, pagam tributos e, tributos cada vez mais pesados, ainda tem de pagar, nos grandes centros, um por fora para as Milícias que os defendem quando não para os Bandidos que praticam a extorsão por uma possível “segurança”. É inimaginável saber que no Rio de Janeiro a milícia cobra uma taxa sobre cada botijão de gás vendido nas favelas.

O verdadeiro cidadão que trabalha, paga impostos, vota em políticos que se apresentam com solução para tudo não tem a mínima segurança de poder ir e vir. É assaltado na rua ou morre por disparos de armas de fogo – como alvo direto ou alvo de balas perdidas. Quando não são queimados dentro de ônibus, metrôs ou mortos dentro de suas próprias casas.

Há um conceito distorcido de cidadania nessa nossa América Latina. Todos podem votar. Todos têm direitos, de votar e de serem votados. É na pratica a aplicação do conceito de “liberdade incondicionada”. Mas, quem paga a conta das despesas do Estado é somente a classe média, seja a classe média empreendedora, através de uma absurda carga tributária seja a classe média assalariada, que tem descontado no seu holerite, mensalmente, os impostos taxados pelo Governo.

Enquanto isso, “cidadãos” cada vez mais dependentes das benesses do Governo ou de abordagens de candidatos inescrupulosos, votam conforme as vantagens imediatamente auferidas recomendam. E elevam a condição de elites (eles não gostam da palavra elite) “cidadãos” que se empanturram de dinheiro público e da excelente qualidade de vida que o Poder lhes proporciona.

Até quando nós os brasileiros vamos permitir essa pratica tão equivocada da transcendental idéia de liberdade e do voto incondicionados, sem qualquer relação com a razão, e também da criminosa conduta dos Políticos assim eleitos? É impossível prever. No Brasil ainda se aceita desculpas para tudo.

Imagine que os maiores ladrões do país estão livres. Falo de provadamente ladrões. Ladrões fotografados carregando malas de dinheiro sem origem licita comprovada. Ladrões com contas no exterior, rastreadas, documentadas. Ladrões cínicos que aparecem contritos na tela da TV para alegar publicamente que “erraram” e pedir novamente o voto dos eleitores. Erraram não, cometerem crimes bárbaros contra o dinheiro público. Aquele dinheiro que poderia alavancar o desenvolvimento que por si só, seria capaz de gerar emprego e renda e de tirar da miséria e da ignorância os milhões de brasileiro que hoje são dependentes das tais “bolsas governamentais”.

Não podemos continuar a permitir que no Brasil, quem esteja no poder e cometa crime, se confessa, está desculpado. E que o fato de ser autoridade seja permissivo para continuar a ser autoridade. Assim como o pobre pensa que tem mesmo é que continuar na pobreza. Que a esperança, sempre adiada pelos insucessos decorrentes da incorreta gestão do país, não seja exatamente isto e sim que a desgraçada vida decorra de pertencer ele a classe de “entes” guiados pelo fio da natureza e do destino. Santa ignorância!

O sistema Judiciário hoje no Brasil que é um fracasso absoluto em sua obrigação de punir os poderosos, precisa mudar. Com raras exceções, pagamos caro para uma elite burocratizada que têm em mente apenas as vantagens dos cargos e a vaidade das boas relações de “alto nível”. E quando lamentavelmente é apenas isso, ainda não é o pior.

A imprensa tem sido feliz em cumprir o seu papel esclarecedor. Os sinais de exteriorização de riquezas são evidentes. Pessoas que chegam ao poder empurrando velhos carros passam em pouco tempo a andar em carrões importados, compram casas, apartamentos, fazendas, gado, lanchas, mudam de roupa e até de fisionomia em clinicas de cirúrgicas plásticas.

Acredito que ainda chegará o dia em que o simples pagamento de impostos sobre dinheiro roubado não irá livrar da cadeia quem rouba, porque todos terão de provar a origem licita do dinheiro que ganham. Acredito que chegará o dia em que o sistema Judiciário vai funcionar, porque serão expurgados aqueles que são coniventes com esse estado de coisas. No Brasil temos leis, o que falta é aplicá-las seriamente.

Quando esse dia chegar deixaremos de ser apenas vítimas dessa horrorosa Guerra Civil onde os bandidos levam visível vantagem. Esta é a minha esperança que o medo não haverá de vencer.

Alias, já prestaram atenção que no Brasil quase nenhum político concorda com a implantação da pena de morte mesmo para criminosos irrecuperáveis? Sentimento humanitário? Sentimento de Justiça? Não. É porque que só de pensar no assunto, sente dores no pescoço. E em casa de enforcado não se fala de corda, diria Dom Quixote!

Um comentário:

  1. Esse teu post é um convite a comentar que agora em 2012 a violência de Florianópolis aumentou em 250%. Apesar disso e de tantas outras que já vi na minha vida, eu sou contra a pena de morte porque o ser humano é mentiroso.

    adonadosenadofederal.blogspot.com

    ResponderExcluir