quinta-feira, 9 de julho de 2009

MÁ-FÉ DEVERIA TER LIMITES

Não se reconhece papel de Ministério Público, essa Instituição idônea de defesa da sociedade, na conduta de um Procurador de Justiça (Mauri Ricciotti) que recebe um processo (Recurso de Agravo de Instrumento sobre o cumprimento da Sentença no caso Santa Casa) para nele emitir seu parecer (e não deveria porque é parte autora do mesmo), e não o emite e sai de férias, retendo o processo em seu poder, impedindo o normal andamento processual. Hoje reclamei ao Bispo, literalmente: ao Corregedor Geral do MPE Anízio Bispo dos Santos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário