domingo, 25 de outubro de 2009

130 PESSOAS MORREM EM BAGDÁ

Bagdá não é o Rio de Janeiro, mas também lá morrem pessoas vítimas da falta de senso. No Rio de Janeiro as mortes são frutos da fraqueza moral de seus governantes, que não cuidam adequadamente das causas que levam ao crime. Em Bagdá e em todo o Iraque, as mortes são frutos de um sectarismo milenar religioso, incompreensível mesmo para o povo árabe que não se envolve diretamente. São grupos religiosos que acabam descambando para a irracionalidade do conflito armado. Como se Alah que é único Deus e todos professam isto, autorizasse a matança de seus filhos de forma tão bárbara como ocorreu hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário