domingo, 23 de maio de 2010

CIDADES PANTANEIRAS DE MS

Nesta quinta e sexta-feiras tive a oportunidade de visitar as cidades de Anastácio, Aquidauna, Mirada, Corumbá e Ladário. Em todas as reuniões ou conversas com pessoas, impressionou-me a ausência de investimentos produtivos de parte da iniciativa privada, capaz de de dar uma dinâmica maior na geração de emprego e renda nesta importante região do Mato Grosso do Sul.

Os únicos investimentos verificados ocorrem a partir dos Governos, os quais injetam recursos em obras públicas e a economia, especialmente o comércio, segue uma dinâmica de absorção de parte desses recursos financeiros distribuidos na forma de salário e sem maiores perpesctivas de crescimento também.

Discutimos com várias lideranças esse fato e tentei motivá-los a terem iniciativas associativas ou cooperadas para promoverem iniciativas eficazes e duradouras para o quadro atual da nossa economia. Coloquei-me a disposição para debater o assunto e ajuda-los com as experiencias colhidas ao longo de nossas atividades públicas.

Um comentário:

  1. A região do Pantanal faz muito tempo, vive da expectativa de acontecer algo de concreto e realmente dar consistência as atividades econômicas ali desenvolvidas.
    Tudo parece ter parado no tempo e no espaço,estamos ainda no século dezenove ou pior,a população aumentou,as necessidades de infra estrutura também carecem de urgente planejamento a longo prazo.
    Aparecem e desaparecem grupos prometendo investimentos faraonicos que amenizariam a carência de postos de emprego e coerente distribuição de renda,só fica na promessa e nada mais.
    As ações na região são mais de curtíssimo prazo e finalidades pouco objetivas,até a iniciativa privada que investe em qualificação e treinamento de m.o e novos investimentos, faz mais firula que ações efetivas.
    Todos aceitam passivamente que os municípios da região que deveria ter um programa de turismo de alto impacto,tem "festas" e festas com apelo de atividade turística,o exemplo de Bonito ainda não chegou por lá.
    Vias férreas com subsídios do governo federal,"trem do pantanal" e comitiva de LULA,não conseguem levar ao desenvolvimento para as pessoas da região,que adoram festas mas precisam de dinheiro para sobreviver.
    O caminho é longo,se não houver estratégias sérias e menos eleitoreiras tudo continuará do mesmo jeito.
    Turismo e exploração racional de produtos naturais tem que ser a saída ,a começar pelo levantamento e ações conjuntas de políticos e empresários.Aventureiros sejam da ferrovia ou das promessas de siderúrgicas para aproveitar o minério da região e outros atrativos,devem ser banidos e não incentivados como acontece.
    Nas cidades pantaneiras existem bons empresários dispostos a participar de um programa sério para o desenvolvimento.
    Falta um político que defenda este consórcio pantaneiro, e responsabilidade dos prefeitos que muitas vezes se esquecem de suas funções básicas de atender a necessidade de quem os elegeu.
    Em tempo, Delcidio tem tentado alavancar projetos regionais ,mas tem faltado apoio efetivo dos "amigos" e conterrâneos da região.

    ResponderExcluir