terça-feira, 19 de outubro de 2010

A VOLTA DA PERSONALIDADE POLÍTICA AUTORITÁRIA!


Trechos ao artigo de José Luis Álvares, doutor em sociologia pela Universidade de Harvard e professor da ESADE-Espanha, no jornal El País de 18/102010, traduzido pelo ex-Blog do César Maia.

1. Para essa volta se precisa do desprestígio dos partidos políticos e seus líderes e do medo, da desesperança e do ressentimento, que são os desencadeantes da personalidade autoritária. O tratamento dado pelos meios de comunicação à política como espetáculo, acelera e difunde.

2. A psicologia politica tem em uma de suas linhas fundamentais o estudo da personalidade autoritária. As características do tipo psicológico autoritário são: o convencionalismo, agressividade, superstição, pessimismo sobre a natureza humana, curtoprazismo, simplismo nas soluções de problemas complexos, desconfiança com o pensamento não convencional (artistas...).

3. A personalidade autoritária surge com maior frequência através dos grupos sociais tomados pelo medo, a desesperança e a marginalidade.

4. Fazer política nessas situações, também é fazer trabalho emocional. E o critério principal do tratamento das emoções é tratar as pessoas onde estão emocionalmente e não onde -idealmente- deveriam estar. As pulsões autoritárias se tratam com mecanismos de compensação que canalizem estas emoções. As meras desqualificações as exacerbam.

Um comentário:

  1. A fragilidade da autoridade conduz parte da sociedde a desobediência, logo a imposição da obediência é classificada pela crítica como sendo autoritarismo. Talvez, esteja faltando a sociedade dos homens algumas gotas de hormônio social. Esse hormônio produz equilíbrio, respeito e a condição ou capacidade de se planejar e conduzir o relacionamento entre os indivíduos. Desculpem, de repente, a inveja me faz lembrar que indivíduos irracionais conseguem viver bem em sociedade, onde um não critica o outro, pois se respeitam. Ah, eu me refiro a Sociedade dos Cupins.

    ResponderExcluir