quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

PRINCIPIOS REPUBLICANOS E A ANACICLOSE

Contemporaneamente no Brasil é comum ouvir-se declarações sobre a importância da República. No entanto, basta um minuto de reflexao para ver, por exemplo que se instalou no país uma Oclocracia, que por seus elementos contém o germe destruidor da própria democracia e da República.
É o que se pode deduzir a partir da teoria da anaciclose, criada por Políbio, um velho grego deportado para Roma e que foi amigo e companheiro do General Cipião Emiliano em sua vitoriosa campanha contra Cartago:
"O regime republicano é penhor de estabilidade e de potência. Mas ele não consegue, segundo Políbio, reproduzir-se naturalmente. Um processo de degenerescência está presente em todas as formas de governo. Ao se inspirar na filosofia da história platônica, ele elabora a teoria dita de anaciclose. Esta relaciona a decadência das constituições a uma sucessão de ciclos históricos. A forma bruta, elementar, do poder é a monarquia aprovada pelos governos e regulada pela justiça. Mas esta não pode senão degenerar em tirania desde que o rei aproveita-se de seu poder para entregar-se à concupiscência e satisfazer seus desejos pessoais. A tirania é, então, invertida pelos melhores cidadãos, que fundam uma aristocracia virtuosa, mas que não pode senão deteriorar-se pela corrupção dos dirigentes e seu desinteresse pela justiça comum. A vida política se degrada novamente e afunda na oligarquia, onde todos os abusos são de proveito à minoria governante. O povo, submisso e oprimido, é então incitado a tomar o poder e fundar uma democracia preocupada em conceder a cada um direitos civis. Mas o povo nunca é racional e as paixões da multidão acabam triunfando rapidamente sobre os direitos formais. O regime afunda então numa oclocracia, que não é outra coisa que o reinado do populacho. Esta engendra a desordem e a violência. Para restabelecer a concórdia, o povo não tem outra escolha senão estabelecer um monarca cuja virtude é exemplar. O ciclo da decadência está então completo. Pode reproduzir-se de novo."

Fonte: História das Idéias Políticas - Olivier Nay - Editora Vozes - pag. 63.

Nenhum comentário:

Postar um comentário