sábado, 8 de outubro de 2011

HUMBERTO NEDER, UMA PERDA IRREPARÁVEL

Morreu Humberto Neder aos 91 anos de idade. Foi empresário, fundador do Banco do Povo de Mato Grosso e da Teleoeste (Telems e hoje Oi/Telemar). Foi também suplente de Senador e amigo pessoal do ex-Presidente João Goulart. Militava no PTB.

Em razão das atividades políticas do irmão Alberto Neder, militante comunista declarado, foi preso duas vezes no temido DOI/CODI do Exército no Rio de Janeiro e teve suas empresas expropriadas a "preço de banana" pelo Governo de exceção que Governou o Brasil a partir de 1964.

Exilado no Paraguai para não ser preso novamente, por la viveu mais de dez anos e retornou ao Brasil após a Lei da Anistia no Governo Figueiredo.

Na qualidade de advogado ingressei com o pedido de declaração de anistiado político. A Comissão de Anistia reconheceu e registrou um pedido de desculpas do Estado Brasileiro a Humberto Neder. Mas negou o que lhe era devido, a indenização financeira em prestação continuada, como a mesma Comissão pagou a tantos outros "amigos do atual Governo do PT." Recorremos ao Poder Judiciário, cuja parcela significativa de Juizes Federais transformou-se em "advogados do Governo", sem nenhuma isenção, tendo sido negado a liminar antecipatória de direitos.


O agora saudoso Humberto Neder foi vítima duas vezes: dos Militares que governaram o Brasil em clima de ódio e lhe retiraram os bens e os direitos políticos e do PT que Governa o Brasil apenas para o seus militantes e comparsas, mas nega o que de direito a outros brasileiros.


Nenhum comentário:

Postar um comentário