domingo, 1 de janeiro de 2012

Nilda Coelho

Dona Nilda, como era tratada, faleceu no ultimomdia 27 de dezembro e eu não gostaria de fazer este registro no meu Blog. Queria-a por muitos anos ainda, para desfrutar de sua amizade, de sua generosidade como vizinha, das boas conversas em muitas manhãs de Domingo, como aconteceu nos últimos anos. Mas a vida segue seu destino inexorável. Talvez o "seu Lúdio Coelho" precisasse mais dela do que nós outros aqui neste plano da vida. Nove meses foi um tempo longo para Lúdio e Nilda viverem separados. Então o amor falou mais alto e ambos viverão, certamente, a eternidade juntos como viveram a maior parte de suas vidas por aqui.

Nossa vizinhança durou mais de dez anos. Neste período pudemos conhecer duas pessoas do mais elevado senso de humanidade. Sem filhos, todavia estimando os sobrinhos como se fossem filhos seus. Despreendidos no atendimento por mais de 30 anos, de gerações de filhos de famílias carentes, no Lar do Ludinho e no Lar Nossa Senhora Aparecida. Acolhedores dos amigos que preenchiam todo o tempo e os espaços da residência... E como eram saborosos os almoços em meio a tanta gente.

Fica aqui o reconhecimento do valor de suas existências. De Dona Nilda, neste momento, a imensa saudade e a tristeza pela ausência. No entanto, parafraseando Gabriel Garcia Marques, dizemos: nao choramos porque acabou, mas sorrimos porque aconteceu. E, de fato aconteceu uma vida maravilhosa, que sempre haveremos de celebrar. Siga em Paz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário