sexta-feira, 22 de março de 2013

BARBOSIANAS


Tutty Vasques, hoje no Estadão (22/03/2013), diz que toda vez que sai uma notícia tipo "Barbosa aponta conluio entre advogados e juízes" ou "Barbosa nega pedido de desbloqueio de bens de Duda Mendonça" - para citar dois títulos da semana -, o presidente do STF presta um serviço inestimável ao resgate moral de um sobrenome injustiçado desde 1950. É que, segundo ele, o "Barbosa" que o Brasil começa a identificar como timbre do ministro Joaquim Barbosa foi, nos últimos 63 anos, marca registrada da culpa pela derrota na final da Copa de 1950. 

"Até outro dia, quando se dizia 'Barbosa', a primeira pessoa que vinha à cabeça do brasileiro era o goleiro que a torcida elegeu protagonista do chamado 'Maracanaço' - ainda que, com o passar do tempo, a crônica esportiva o tenha inocentado de falha naquele maldito gol do Gigghia".

O colunista observa que o brasileiro poderia ligar o patronímico ao "Águia de Haia", ao "Rei da Lambada" (Beto), à popozuda Gracyanne ou mesmo ao personagem humorístico de Ney Latorraca na "TV Pirata", "mas Barbosa por aqui sempre foi assinatura do sujeito que não evitou o maior revés da história do País". 

Mas agora há possibilidade de redenção, e o jornalista vaticina que JB tem "a chance de acabar com este estigma". Apenas para deixar claro ao leitor que não conhece, Tutty Vasques é um humorista. E, como se nota pelo teor da coluna de hoje, com boas tiradas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário